Páginas

quinta-feira, maio 03, 2012

Inevitável


Há algumas horas atrás em meio a milhares de diálogos comigo mesma em minha própria cabeça, parei e pensei em como o tempo passou por mim. Não que eu não pudesse ter aproveitado esse tempo...ah, eu podia sim.
Podia ter provado outros gostos, outra boca, outras sensações. Mas...como?
Se tudo em que eu podia pensar tinha a ver contigo? Se não saístes de minha cabeça, de meus pensamentos?
Arranjei desculpas, imprevistos, falta de tempo, preguiça (mais ainda). O que fosse possível para não te esquecer, mesmo que isso seja só pra mim. Mesmo que eu não esteja me lamentando para ninguém, a não ser para mim mesma, o fato de tu estar e não estar presente dessa maneira tão intensa aqui sempre.
Esse fato que dói, que corrói e que me machuca.
Não que eu te queira aqui comigo, mas por quê diabos fazes tanta falta?

1 comentários:

Lídia Monteiro disse...

Às vezes o tempo passa e transforma as coisas ou pelo menos tenta transformar, mas a gente tá lá... Joga um âncora e de prende numa coisa, um sentimento que já nem é tão mais importante e mesmo assim estamos nós tentando fazer lembrar aquilo que inevitavelmente já acabou. Acho que todo mundo uma vez na vida passa por isso. Infelizmente, acontece.
Beijo

www.nadadeperfeicao.com